terça-feira, 5 de agosto de 2008

ORIENTEMÉD( I )ORIENTE

ou

DIREITO DE TODOS? (*)

“O D’us inteiro

(aquele que é também um fogo consumidor

e que pôs a estrela em vossas testas)

e ainda o outro Deus, lá à entrada, por séculos, observam...

Finalmente, condescendentes e juntos,

entraram em nosso jardim,

ao leste do Éden,

para expor ao sol o mundo imperfeito da morte!”

Isto os meninos limpadores de pára-brisas

(ou com seus malabares, talvez)

estão falando agora lá fora,

em baixo do aguaceiro.

“... condenamos nossas crianças!”

Eu ( meu coração ) preservado aqui dentro,

mas corroído pelos insetos luzidios

da consciência iridescente

e marcado por cicatrizes iguais as deles.

Sei:

eles poderiam me impor obstáculos

se assim o desejassem,

pôr minha carne fraca, flácida e trêmula para pensar.

Mas isso não rola,

meu egocentrismo faz frente

e estas idéias apenas voam todas

ao redor de mim, inofensivas

como andorinhas

no verão particular deste interior.

É possível que um anjo tenha caído...

E nenhum deles desfilou ( e jamais desfilarão,

em nenhuma “parada de Sete de Setembro” )

vestido com meu casaco de general,

cheio de anéis e medalhas no peito.

Para eles só resta agonia em Getsêmani

(Guantánamo ou Guaribas, tanto faz...)

e centelhas - agulhas azuis - que saem de seus olhos,

nenhum D’us agonizante os sustentando

ou lançando a morte imperfeita ao sol do mundo.

“... condenamos nossas crianças!”

O D’us inteiro

(e também o outro Deus)

fez nosso lugar verde e perfeito, ao sol;

em nenhum mundo a morte;

nenhuma “parada de Sete de Setembro”.

Mas é possível que um anjo tenha caído...

Nós (e nossos corações) preservados aqui dentro

(no verão particular deste interior)

com nossos óculos de sol

e a morte perfeita, sob o sol do mundo lá fora.

_____________

(*) Menção Honrosa no I Prêmio Literário Canon de Poesia 2008

4 comentários:

poemas disse...

Caro amigo Carlo Cruz, tua poesia emana uma beleza, a beleza dos Deuses.Esarei lá na Bienal. Um abraço

poemas disse...

Estou em www.olhosdefolhaminha.spaces.live.com
e www.gerberasfelizes.spaces.live.com
e no blogspot:
www.olhosdefolhacintiathome.blogspot.com

steve disse...

“meu egocentrismo faz frente
e estas idéias apenas voam todas
ao redor de mim, inofensivas
como andorinhas”

Eu gostaria muito de ter tido um Professor assim.
Texto enxutíssimo seguindo uma linha de pensamento fina, sensível e difícil de escrever claramente com tanta autenticidade.
Parabéns Mestre.
Frank A. Sobral (Bar do Frank)

Anônimo disse...

O CARINHO DOS AMIGOS NO BLOG DO AZENHA, MUITO OBRIGADO!


Renata Maia (01/09/2008 - 22:53)
casaco de general...eu ri nesta hora...temos fotos. Ainda bem que não li em 7 de setembro. eu me reportei a um sinal no fim da Lagoa... bjs Carlos. não há o que dizer. Só balançar as joias, hehe. Lembra?
________________________________________
Luis Claudio Baraúna (29/08/2008 - 00:02)
Autêntico! Sensível! Realista! Isso é o que eu posso falar de mais uma OBRA PRIMA escrita pelo meu amigo Carlos Cruz. Parabéns!!! Um grande abraço
________________________________________
Andrea Junqueira (28/08/2008 - 04:10)
Não me surpreende a sensibilidade deste autor...quem como eu, que tive o prilégio de cursar a Faculdade ao lado deste queridíssimo amigo, sabe deste então que suas palavras demostrariam a capacidade incrível de colocar para fora com sensibilidade e uma linguagem simples e objetiva a sua magnitude de pensamentos sensatos e que nos levam a pensar na responsabilidade de cada um com nossas crianças........ Parabéns Carlos......vc não é apenas plural.......é extremamente incrível,fantástico e acima de tudo autêntico e muito especial.......tenho orgulho de fazer parte de sua vida....... Beijo grande e sucesso sempre!! Andrea
________________________________________
Virginia Lane (27/08/2008 - 21:22)
Carlos Cruz, fiquei emocionada ao redescobrir o amigo dos bancos de ginasio com tanta sensibilidade artistica diante do cotidiano carioca e a grandeza do TODO PODEROSO. Minha admiracao com carinho, Virginia
________________________________________
Celia de Freitas (27/08/2008 - 18:37)
Olá, Amigo de Sempre!!!! Bom demais,é muito importante para mim ler e mais ainda saber que partilhei o começo de tudo,sentados numa dividida,junto com nossos mestres querido. Sou muito orgulhosa por isso.Parabéns.Bjs muito.
________________________________________
Nádia de Souza (26/08/2008 - 23:43)
E cá estamos nós petrificados diante do 'homem vestido de linho com um tinteiro de secretário sobre os quadris", petrificados e cegos pela glória dos querubins, a espera da benevolência de termos nossas testas marcadas com um sinal pelo homem vestido de linho. Apenas suspiramos e gememos "por causa de todas as coisas detestáveis que se fazem no meio dela".Só queremos ter o sinal para sermos poupados e nada fazemos. Continuamos petrificados e impotentes.
________________________________________
Maria de Lourdes de Souza (26/08/2008 - 22:10)
Carlos você é mesmo plural,sim pois faz tantas poesias e etc.Quado eu tiver mais tempo vou ler com mais calma. Vc é SHOW DE TUDO meu cunhado. Lu:)
________________________________________
Letícia Parente (26/08/2008 - 22:04)
Oh, será que sempre vou me pegar ganhando surpresas suas? Definitivamente ótimo. Parabéns, Carlos. Beijos mil
________________________________________
FranK A. Sobral (Bar do Frank) (26/08/2008 - 20:48)
"meu egocentrismo faz frente e estas idéias apenas voam todas ao redor de mim, inofensivas como andorinhas" Eu gostaria muito de ter tido um Professor assim. Texto enxutíssimo seguindo uma linha de pensamento fina, sensível e difícil de escrever claramente com tanta autenticidade. Parabéns Mestre. Frank A. Sobral (Bar do Frank)
________________________________________
DALMO (26/08/2008 - 19:51)
... ESSE CARA ALÉM DO GRANDE POETA QUE É, É MEU AMIGO PARTICULAR, PARABÉNS AZENHA PELA PUBLICAÇÃO!
________________________________________
Ricardo Medeiros - Formiga - MG (23/08/2008 - 14:03)
Show! Estou cançado de ver guerras, sofrimento. Até quando? Ser humano...
________________________________________
Ser especial (23/08/2008 - 00:10)
Somos derivados de um mesmo sabor, de uma mesma essência, com pequena diferença. Entre o tempero, mas somos muito semelhantes, não iguais, semelhantes. Faz reconhecer-nos no plano, ordem abstrata. A relatividade adapta-se a qualquer um....Não somos qualquer um. Te disse isso....em sonhos. Cuidado para que não descubram este ser especial que somos..... (Selección de poesia Letras derramadas) Montevideo -2002- Brasília. Qublát Falastinía (bjs Palestinos) Amyra El Khalili