quinta-feira, 19 de julho de 2007

Brigamos os cães ladram à nossa passagem os cães (dentro e fora da gente) nos querem separar essa música distante e esse ar quente (ar das nossas bocas tuas bocas) são coisas de verão (como a chuva) de infância somos crianças banho tomado cheiro de sabonete no corpo comendo pão no escuro no escuro a gente se toca somos adultos adultos nascemos todos nascemos no verão no outono fazemo-nos em pedaços (de miolo-de-pão) e cada migalha brota na primavera os cães não ladram na primavera (amam) mas a música (da brisa) longe toca ainda ainda te tocarei (1979)

2 comentários:

Clarice disse...

Pai!!! Parabéns pelo blog!!!Está lindo!
Adorei as poesias...minha mãe disse q as conhece bem...
Te amo!
Beijinhosssss

Vivian Pizzinga disse...

Linda poesia.